Por favor, preencha a atmosfera com a vibração sublime dos Santos Nomes:
Hare Krsna Hare Krsna Krsna Krsna Hare Hare Hare Rama Hare Rama Rama Rama Hare Hare

sexta-feira, 18 de março de 2011

SANTA TERESA DE LISIEUX

Estrela de Maria - 13 de Março de 2011 - AutresDimensions


Irmãos e Irmãs em Cristo, é-me permitido, hoje, dirigir-me, pois o momento chegou, a um número muito maior.
Para aqueles que estão interessados na última encarnação que eu tive, eles sabem talvez que eu disse (e foi entre minhas últimas frases, durante minha vida) que eu passaria meu Céu a fazer o bem sobre a Terra.
Vários seres humanos que oraram para mim, desde quase um século, receberam de minha parte, real e concretamente, Graças.
Maria confiou-me a tarefa delicada, hoje, de falar-lhes, além desta encarnação, sobre meu papel, que está também em vocês, inscrito através da Estrela Profundez.
Esta Profundez que, como eu espero, lhes demonstra, pela Vibração de minha Presença, além mesmo das frases que eu vou pronunciar, a realidade da humildade.
Inicialmente, meu lugar, como Maria lhes disse, é à sua direita.
E se vocês olham, do interior, sua Coroa Radiante da cabeça, vocês verão que eu estou à direita do ponto IS, IS-IS e que eu estou também à direita do ponto ER.
Eu sou o ponto posterior do triângulo da Água porque eu sou profundamente ligada à Água, e, portanto, a Sirius.

***


Há muito tempo atrás, em outro espaço, em outro tempo, bem além da curvatura do tempo que vocês vivem, eu fui aquela que trouxe, com Maria e outras Irmãs (enquanto que, bem que eu não gosto dessa palavra, mas é a mais adaptada a esta Terra, ‘Mestre Geneticista de Sirius’), a formação da Vida sobre esta Dimensão em que vocês estão ainda hoje, e que experimentou tantas deformações.
Assim, de um ‘ponto de vista’ bem além desse mundo humano, poder-se-ia dizer que eu sou, por um lado, um Ser muito elevado.
E, no entanto, quando eu vim sobre a Terra, recentemente, eu quis ser a menor porque, efetivamente, vocês não podem ser o que quer que seja aqui, se vocês são grandes em outro lugar.
Se vocês são grandes aqui, vocês serão pequenos em outro lugar.
Há, de fato, como um princípio de ‘vasos comunicantes’.
Vocês não podem ser grandes aqui e grandes noutro lugar porque o que é grande aqui acontece em detrimento do que é grande noutro lugar.

***


É nesse sentido que Cristo lavou os pés de seus apóstolos porque ele era, aqui, o menor, mas o maior.
Eis porque, toda minha última vida (repassem também isso no contexto de um século atrás, na época em que as forças de resistência à Luz eram mais intensas), efetivamente, eu mesma como tantas outras, nesse continente como em outros continentes, vivenciamos tanto sofrimento.
O sofrimento não era uma vontade, mas era uma vontade de não ser mais nada, aqui, para ser tudo em outro lugar e se religar a Luz.
Isso se manifestava por um sofrimento, cruel e intenso, do meu corpo, e também da minha consciência que vivia, naquele momento, esta separação como um ‘drama’.
Hoje, sobre esta Terra, mais do que nunca, é-lhes possível viver isso na Alegria, porque as resistências da Terra não existem mais.
Existem apenas as resistências dos homens, mas que não são nada agora que os envelopes [‘capsules’] que os confinaram neste espaço-tempo [heliosfera, magnetosfera e ionosfera] foram desmontados.

***


Então, se eu retorno sobre minha história, não é para falar-lhes de minha história porque esta história é a mesma para cada um e para cada uma. Porque vocês têm, efetivamente, uma história, bem além da história de sua vida ou de suas vidas. E esta história é bem maior do que jamais será sua história aqui embaixo.
Acreditar na Luz e crescer em Luz, é desacreditar e diminuir aqui.
Isso que eu instiguei ao extremo.
Compreendam bem que isso não é uma negação.
Isso não é se retirar da vida, bem ao contrário, mas é entrar na verdadeira Vida, que não tem nada a ver com o que nossos olhos e nossa consciência limitada podem ver.
Então, eu retorno um pouco a esta história.
Eu fiz então parte das 12 Mães Criadoras na origem deste universo, há mais de 20 milhões de anos.
Minha forma, é claro, não tem absolutamente nada de humano, além desta ilusão, e, no entanto, a forma que vocês denominam ‘delfinóide’, que é a minha, não faz diferença entre todas as formas e todas as existências.
Eu acompanhei, como todo Ser Criadora, sua própria Criação.
O princípio da Criação, nos universos e nos estados multidimensionais, faz com que toda Criação deva se tornar superior em Amor, superior (e não vejam aí uma noção de superioridade humana, mas mais de uma superioridade de Irradiação) à sua própria Criação, à sua própria Criadora.
Portanto, o que eu criei é chamado a se tornar maior do que eu porque o maior é para serviço do menor, e não o inverso.
O princípio de ‘falsificação’ desse mundo fez com que considerem exatamente o inverso porque, nesse mundo, vocês acreditam que tendo um status social, sociável, que subindo em uma pirâmide, vocês irão se tornar maior.
É exatamente o inverso do que é a lei e a regra nos mundos Unificados.
Vocês devem ser cada vez menores para ser cada vez maiores, ou seja, quando você é uma Criadora, você deve se tornar menor do que sua Criatura porque a Criatura, que é seu sangue e sua filiação, é chamada a se tornar mais luminosa do que você.

***


Toda Luz é Una.
Então, o que quer dizer “é superior em Luz”?
Isso quer dizer simplesmente: “busquem sempre mais criatividade, mais Criação e mais Luz” para que uma Criatura torne-se por sua vez Criadora.
É por isso que Miguel também os chama de Sementes de Estrelas porque, em última análise, toda Consciência é chamada a se tornar uma Estrela, um Sol, sem exceção.
Mesmo se, em outras Dimensões, as formas de manifestação podem ser distantes do que se denomina uma ‘estrela’ como nós a vemos quando estamos encarnados aqui.
Portanto, sim, eu era um grande Golfinho, eu fui aquela que trouxe, com outros, as Matrizes Cristalinas tendo permitido o desenvolvimento da Vida em estrutura de carbono desta Dimensão.
Eu fui então uma iniciadora desta Dimensão.

***


A falsificação produziu um confinamento.
O paradoxo deste confinamento, é que ele foi desejado por aqueles que estavam encarregados de tomar conta da Criação, e que não eram Criadoras.
O paradoxo, é que em meio a esse mundo onde tudo está invertido, vocês devem mergulhar fundo, de alguma forma se extrair da vida aparente, penetrar sempre cada vez mais profundamente, desvencilhar-se de tudo o que não é da Luz.
Então, é claro, há muitas camadas, muitas vestimentas, se vocês preferirem, que impedem a Consciência viver a Essência da Luz.
Essas camadas são, no entanto, elementos que tornam mais pesados a alma e o Espírito e que impedem de se encontrar.
O primeiro, obviamente, é a importância de si mesmo, a importância que se dá à sua própria vida, pelo fato que ela parece como ‘limitada’, entre um nascimento e uma morte e, portanto, onde é vital, de qualquer maneira, manifestar, em meio a um espaço limitado, capacidades de criação (quaisquer que sejam: criação de um emprego, criação de um filho, procriação, criação de um papel).
Tudo o que faz sua vida, nesta Dimensão, que os Orientais denominaram ‘ilusão’ porque é uma ilusão total.
Quanto mais vocês criam nesse mundo, mais vocês se tornam grandes nesse mundo, e mais vocês perdem sua grandeza do Ilimitado.
Então, obviamente, hoje, nesses tempos particulares em que Cristo está de volta em vocês, vocês precisam, alguns, derrubar os muros que muitos de nós nos pusemos, em encarnação, quinquênios e quinquênios, vidas e vidas, a construir.
Muros ilusórios que nos deram a certeza de ser ‘algo’, reivindicando mesmo o benefício dessas ações passadas quando elas eram inscritas em algo justo e correto, ao passo que tudo isso é apenas uma vasta ilusão.
É aceitando, muito jovem, em minha última vida, penetrar a fundo, cada dia cada vez mais fundo, que eu descobri as ‘virtudes reais’ da humildade.
Aceitando ser ‘nada’, além do papel reconhecendo o que eu era, mas, bem mais, encontrando o que eu era, além do papel que desejaram e que eu mesma desejei desempenhar.

***


Hoje, isso está grandemente facilitado, ainda uma vez.
As resistências não são as mesmas.
Ir a fundo, é tornar-se de novo humilde.
É compreender que tudo o que vocês compõem na ilusão não é absolutamente nada, mesmo se vocês ali não têm acesso, comparado à grandeza do que vocês são, em outro lugar.
Vocês são Mestres de Luz, vocês são seres de Luz.
Vocês são seres de majestade, na condição de ser o menor aqui.
Mesmo entre os Anciãos, alguns deles expressaram isso a vocês.
Suas experiências, suas vidas, suas últimas ou outras vidas que vocês revelaram, têm todas insistido, sem exceção, sobre esta noção de ‘ser o menor aqui’ porque a única maneira de engrandecer a Luz, é aceitar não ser mais nada.
Obviamente, isso não é negar a vida, ainda uma vez, mas é colocar em seu devido lugar o que é da ordem da personalidade, do efêmero e o que é da ordem da Eternidade.
Essas palavras, vocês as compreenderão cada vez mais: Eternidade e Unidade.
Porque, quando vocês seguem na humildade a mais sincera, quando (mesmo continuando suas atividades ditas exteriores, ilusórias) vocês reconhecem que estas não são estritamente nada comparado ao que vocês são, vocês dão já um passo para a Profundez.
Esta Profundez que, hoje, tornar-se-á cada vez mais importante porque, como lhes disseram, por esse Canal como por outros, por muito numerosos seres de Luz, a única porta de saída é o Coração.
Não há outra.

***


Sair da Ilusão acontece apenas pelo Coração.
O Coração, é estar no centro, que isso seja no centro dos 4 Pilares, no centro das 12 Virtudes, é aceitar a humildade, é vivê-la concreta e realmente.
Novamente, esta humildade não é uma negação da personalidade, mas é aceitar colocar no seu devido lugar o que ela é.
E esse corpo, também, mesmo se é seu Templo porque é nele que deve se manifestar o Cristo.
Mas compreendam que o que vocês vivem neste corpo, nesta vida, não é nada em relação à Eternidade e não é estritamente nada em relação ao que vocês são.
Retenham bem, e eu o repetirei uma última vez, que isso não é uma negação, mas bem uma ‘mudança’ de olhar e de Consciência.
Isto necessita, é claro, ajustes de seus comportamentos, de suas ações, de seus atos, mesmo em meio à ilusão.
Qualquer que seja seu posto (que vocês tenham engendrado ou que lhes tivessem dado, seja ele o mais alto da sociedade), ele não é estritamente nada.
Aceitando encarar isto, como aquilo, virá um momento em que, naturalmente, vocês se extrairão da ilusão e descobrirão a Unidade e penetrarão ainda mais profundamente no que é a Unidade.

***



Lembrem-se de que a Unidade é um estado de Ser e que vocês não podem ao mesmo tempo Fazer e Ser.
É um ou outro.
Virá simplesmente um momento em que, pela firmeza de estar perseverando na Luz e na humildade, irá se implantar então o infinito da Vida, irá se implantar então a Unidade, irá se implantar então a Alegria e a Felicidade da consciência.
Naquele momento, vocês entenderão instantaneamente o fato de ter conseguido transcender e superar a personalidade.
Isso acontece, evidentemente, pelo instrumento o mais importante e este instrumento, é a humildade.
Ir a fundo, redescobrir o que vocês são, acontece necessariamente por tornar-se de novo o menor aqui embaixo.
Ser dedicado não basta, estar no Serviço não basta porque servir, é se tornar novamente Luz, como lhes disse um dia o Venerável Comandante.
Mas, para tornar-se Luz, é preciso aceitar não ser mais nada aqui.
Enquanto há uma veleidade [desejo passageiro] de apropriação da Luz, vocês não podem ser humildes.
A humildade é um caminho que se percorre.
Está bem além da abnegação, está bem além da dissolução.
A dissolução da personalidade, não é negação da personalidade.
É a transcendência da personalidade porque chega um momento em que vocês irão alcançar o cerne desta profundez, e aí, eclodem a Verdade e o Ilimitado.
Naquele momento, vocês são, como dizem os Orientais, um ser Realizado e Desperto.
Esta realização, este despertar (que vocês vivem desde quase uma geração sobre esta Terra), traduzem-se, para vocês, por percepções Vibratórias que, em minha vida, não existiam e não eram referidas.
Existem, portanto, nesta época, referências formais de seu Despertar.
E essas referências não são absolutamente mentais.
Lembrem-se de que é diferente estar no Ser e estar no Fazer porque estar no Fazer exterior afasta vocês de estar no Ser.
Há movimentos ‘constantes’ entre o Ser e o Fazer, entre a Unidade e a Dualidade.
Mas, cada vez mais, a Unidade se desvenda, e é isso que põe fim à Dualidade.
Para vocês, como para o conjunto da humanidade.

***


Ir para a humanidade, ir para a humildade, é aceitar.
Aceitar, se abandonar, acolher, palavras que retornarão cada vez mais, agora.
Porque, como vocês sabem, os tempos chegaram.
Os tempos chegaram de revelar o que vocês são e de não mais permanecer confinados no que vocês creem Ser, no Fazer, na Dualidade.
A humildade vai ser, para vocês, um elemento importante e motor porque, na humildade, não pode ali haver qualquer reivindicação exterior.
Há apenas, não uma aceitação do sofrimento, mas uma ‘transcendência’ do sofrimento, pela ação mesmo da Luz.
E não são vocês que decidem.
E não é a Luz que decide.
É o que vocês são, em outro lugar do que aqui, que vocês precisam reencontrar, reconectar e deixar se manifestar.
O trabalho das ‘Núpcias Celestes’ que foi realizado e que continua a ser realizado, hoje, é exatamente este trabalho  
Eu estou colocada, enquanto ressonância de Profundez, em seu próprio DNA, porque eu poderia dizer, como Maria, que vocês são a carne de minha carne e isso seria verdadeiro.
 Eu estou colocada no triângulo da Água.
Eu sou, portanto, aquela que modela a terra, a argila, se vocês preferirem, que modela a argila e faz soprar e insuflar a vida.
Eu tenho então um lugar privilegiado enquanto Animadora e Criadora de Vida, para transmitir e sustentar esta humildade porque toda Criação pode apenas existir na humildade porque é preciso efetivamente ser humilde para aceitar que o que nós criamos se torne maior e mais amplo do que nós.
É o grande ‘princípio da Criação’.
Tudo se torna ainda mais amplo e ainda maior.
Tudo é criado continuamente nos mundos da Unidade.
A lei, denominada neste mundo da ilusão: “nada se perde, nada se cria”, não existe, certamente, do outro lado porque, do outro lado, tudo é Criação permanente e constante, tudo é expansão permanente e constante.
Eis porque a ‘limitação’ e o ‘confinamento’ são uma ilusão terrível.
Entretanto, foi-lhes também solicitado não julgar e não condenar, nem sua personalidade, nem aqueles que os confinaram.
É preciso amá-los porque apenas o Amor libera do confinamento.
Não há outra maneira.
O confinamento foi criado sob o ‘princípio da Dualidade’.
O Amor foi criado sob o ‘princípio da Unidade’.
A Fonte é Unidade e vocês são Unidade.
Então, saiam da Dualidade e entrem na Unidade.
Vão para a Profundez.
A humildade é seu instrumento.
Em cada gesto que vocês vão realizar na Dualidade, em cada ação que vocês vão conduzir na Dualidade, coloquem-se a questão: “eu vou para a Unidade ou eu vou para a Dualidade?” “Minha personalidade vai aceitar desaparecer?”
A cada vez e constantemente.
Isso não é uma submissão, mas sim uma liberação.
É o que eu lhes denomino e o que vocês chamam de humildade.
Somente a personalidade crê que há uma submissão.
Mas a verdadeira submissão da personalidade é, de fato, uma ‘liberação’ da personalidade.
Paradoxo, sempre, dessa reversão que vocês têm considerado exatamente o inverso, que isso seja em sua vida cotidiana, como na vida espiritual.

***


O Espírito é grande.
Mas não aqui, em outro lugar.
Não na limitação.
Eis porque, em meio à limitação, apenas o Coração permite encontrar a ‘porta de saída’.
O Coração é humilde.
Ele é humilde porque ele sabe que toda a Criação e todas as Criaturas, um dia, regozijam a Fonte, não alterando o que quer que seja, mas se tornando ‘si mesmo’ a Fonte.
Então, é claro, os sentidos limitados, tal como vocês o vivem, são freios tremendos.
O conjunto dos muros que foram construídos pela personalidade, gradualmente e à medida das encarnações, confinou, literalmente, cada vez mais, a alma, mas principalmente o Espírito.
Sem o sacrifício dos Elohim, a cada ciclo, reiniciado a cada 50.000 anos, o Espírito teria desaparecido desta Criação.
Esse não era o objetivo
O objetivo de toda Criação, como eu disse, e de toda Criatura, é se erguer.
A Terra é uma Criatura, e ela se ergue.
E para se erguer, é preciso um apoio e uma base, a fim de que a comunicação e a confiança entre todas as Dimensões não possam ser rompidas.
Sair do confinamento, do seu, como daquele que vivia a Terra, é apenas possível pela maior das humildades, a que a Terra manifestou, sem jamais se rebelar.
Porque é aceitando ser cada vez menor e cada vez mais humilde que se revela a majestade e a grandeza do que vocês são.
A Terra, como cada um de vocês.
Mas é também a maneira de religar o que havia sido rompido, de se tornar novamente multidimensionais, de re-manifestar a Alegria, aquela do Coração, a única que seja eterna, aquela que supera e transcende todas as ilusões do confinamento.
Eu lhes repito ainda, que hoje e a cada dia, isso irá se tornar cada vez mais fácil, sob a condição, é claro, de que vocês aceitem acolher esta humildade e esta simplicidade.
Para estar vivo, para não fugir da vida nesta matriz, para estar a cada minuto ainda mais vivo, ainda mais consciente, ainda mais desperto, ainda mais humilde, ainda menor.
É desta maneira que a Luz crê, é desta maneira que a Luz se revela, e é principalmente desta maneira que o Coração se abrasa.

***


A humildade vai tomar, no terreno particular dos eventos que tem para viver esta Terra, durante sua Ascensão, uma importância especial.
Nada poderá se realizar se não houver humildade, mesmo em meio a esta Dualidade.
A humildade será, de alguma forma, seu salvo conduto de Luz e de Verdade.
Paramentando-se com o manto da humildade e de sua Vibração, vocês encontrarão cada vez mais seu corpo de Eternidade, aquele que foi denominado, pelos Arcanjos, corpo de Estado de Ser.
Vocês tornar-se-ão cada vez mais esse corpo de Estado de Ser e esta consciência do Estado de Ser, desprendendo-se e despindo-se dos hábitos de ilusão.
Mas, para isso, é-lhes preciso integrar e superar.
Vocês não têm que repelir para longe, vocês têm que ‘transcender’.
Esta transformação, esta alquimia, como o disse algumas Irmãs e alguns Arcanjos, é a realidade do que vocês vivem, neste momento mesmo.
Portanto, cada minuto e a cada desafio de sua vida são uma oportunidade para ir a esta humildade.
Jamais reclamem das circunstâncias externas, jamais reclamem de um próximo ou de quem está mais distante que poderia vir contrariá-los.
Esse é seu papel, nesta ilusão.
Mas é preciso ir além da ilusão.
Nada acontece por acaso na revelação da Luz.
Tudo é atração e ressonância.
Estas palavras, vocês as compreenderam.
Tudo é perfeição, também.
A perfeição está além da aparência, além do que seus olhos vão ver, além do olhar da lagarta, como diria o Grande Comandante, mas no olhar da borboleta.
Vocês são chamados, todos, a tornarem-se borboletas.
Mas, para isso, é preciso aceitá-la.
Aceitá-la, não é desejar.
Aceitá-la, é tornar-se humilde.
Aceitar não ser mais nada aqui, é aceitar não ser mais a lagarta.

***


Então, vocês estão prontos para transpor esta porta?
É para isso que tudo o que vai chegar a vocês e que lhes chega, nos dias e nas semanas que vêm, deve remetê-los, de maneira perdurável, a esta mesma pergunta.
Quanto mais vocês forem para a humildade, mais o que lhes chegará, nesta ilusão, parecer-lhes-á fútil e sem importância.
Mas, entretanto, vocês deverão vivê-lo a cada minuto.
A um dado momento, como eu disse, a Profundez será tal que fará detonar o Fogo do Coração para aqueles que não o vivem ainda.
Neste Fogo do Coração, vocês serão reconectados ao Cristo, à Fonte, permanentemente.
Vocês constatarão, aliás, todos em suas vidas, que, a certos momentos, o Fogo do Coração se desperta, sem que mesmo qualquer estado de meditação ou de prece tenha sido ativado.
O Fogo do Coração ativar-se-á espontaneamente, cada vez mais frequentemente, nas circunstâncias em que, justamente, vocês serão humildes, mesmo sem o desejar porque vocês o terão integrado.
Naquele momento, vocês estarão mais próximos do final desta Dimensão.

***


Se existe agora um espaço para questionamentos que eu me faria uma alegria abrir com vocês, sobre esta noção de humildade e de Profundez, então, nós vamos comungar ainda mais agora.
Abram-se a mim como eu estou aberta a vocês e abordemos, se há dúvidas em vocês, sobre esta noção de humildade e de Profundez.
Vamos lá.

***


Pergunta: quais são as qualidades que permitem transcender os sofrimentos do corpo?

A humildade.
É exatamente do que eu venho falar.
A resistência, ou o sofrimento, que era o lote conjunto da humanidade (porque a Dualidade é sofrimento, porque há privação da Unidade), todo sofrimento vem daí.
Quando se conecta as esferas da Unidade e da Luz, o sofrimento não pode mais existir, apenas o seria em pensamento.
Porque tudo é Alegria, tudo é Felicidade, tudo é expansão.
Não há qualquer força de contração, qualquer limitação.
O corpo mesmo desta Dimensão, que era, desde muitíssimo tempo, eterno, tornou-se deteriorável e padecedor.
Então, superar o sofrimento pode se fazer apenas pela humildade.
A humildade é, de certa forma, o bálsamo do sofrimento.
Porque todo sofrimento, em última análise, é apenas para lembrar a condição efêmera.
Assim, portanto, não mais lutar contra (mesmo se isso é às vezes necessário), mas ‘transcender’ o sofrimento pela humildade permite ser, efetivamente, um bálsamo que transcende o sofrimento e o faz desaparecer.
Ela o faz desaparecer da consciência.
Vejam, por exemplo, a vida de alguns místicos, no Oriente como no Ocidente, atingidos por diversos sofrimentos e que, no entanto, transcenderam e superaram este sofrimento.
Vejam, por exemplo, o mais precioso representante da Unidade, que não faz parte dos Anciãos porque essa foi sua escolha, e que foi acometido por um câncer.
E quando seus “discípulos” se alarmavam e sofriam por seu próprio sofrimento, ele próprio demonstrou que era capaz de não mais ser identificado a este sofrimento e então de deixar este plano com toda lucidez, transcendendo o sofrimento pela humildade e pela Unidade.
Assim, portanto, enquanto o olhar da consciência é separado e dividido, o sofrimento é concebido como um elemento bloqueador e limitante, o que o é efetivamente para a personalidade.
Mas este apelo para entrar em Unidade, em Profundez e em humildade vai, a um dado momento, engrenar um processo em que o sofrimento não pode mais vir perturbar o que quer que seja.
Naquele momento, a personalidade é transcendida, o sofrimento é transcendido.
O que não quer dizer que o sofrimento pode desaparecer instantaneamente.
Isso é às vezes o caso, isso, em outros casos, não é o caso.
Então, há apenas uma consciência de Luz e uma Luz bem mais intensa.
É um balanço, de todo modo, como eu expressei em minhas primeiras palavras.
Tornar-se Luz, tornar-se grande, é tornar-se o menor, aqui.
Não há tampouco que culpar.
Obviamente, todo sofrimento é apenas reflexo da perda de Unidade, mas esta perda de Unidade concerne ao conjunto desse plano de manifestação no qual vocês são partes interessadas.
E é nesse conjunto de manifestações ilusórias que convém revelar a Luz.
É o que vocês fazem atualmente.

***


Pergunta: colocar sua consciência sobre sua Estrela pode ajudar a alcançar esta humildade?

Minha Irmã, sim, certamente.
Isso será desenvolvido em detalhes dentro de muito pouco tempo, por aquele que se denomina UM AMIGO, que concluirá também e lhes dará as últimas ‘chaves Vibratórias’ para vocês utilizarem em si mesmos, para aproximá-los, sempre mais, desta humildade e desta Unidade.
Então, sim, é claro, colocar sua atenção sobre o ponto Profundez fará ressoar, em vocês, um ‘novo’ circuito.
Esse circuito é aquele que vai permitir-lhes ir para mais Unidade e para mais Profundez, efetivamente, e então manifestar cada vez mais humildade.
Como diria Um Amigo, a consciência e a Vibração são uma única e mesma coisa e vocês têm hoje a possibilidade de focalizar sua consciência e fazer ‘emergir’ a Vibração e a Consciência da Vibração.
É disso que é preciso se servir, prioritariamente, porque esse é o instrumento que existe, hoje, nesta Dualidade, para retornar à Luz, que não estava absolutamente presente há mais de 30 anos e em minha vida.
É isso que percebeu perfeitamente Sri Aurobindo, o bem amado João, quando ele descreveu a chegada do Supramental e as consequências que isso teria, ao nível celular da sociedade, da humanidade.
É isso que vocês vivem atualmente.
Portanto sirvam-se da Vibração e sirvam-se da Luz.
Sirvam-se de suas capacidades novas de Atenção e de Intenção.
Então, sim, se vocês colocam sua consciência sobre o ponto Profundez, vocês irão ativá-lo em vocês e isso facilitará toda tarefa.

***


Pergunta: como proteger e curar sua alma a fim de estar em Unidade com ela?

Mas, minha Irmã, você não pode falar de proteção.
A proteção é um conceito que pertence à dualidade e, portanto, essa própria palavra ‘proteção’ é uma heresia em relação à Unidade.
Pretender uma proteção, é ainda pretender uma separação entre o Bem e o Mal.
A Unidade não é nem o Bem, nem o Mal, mas além do Bem e do Mal.
Assim, portanto, em sua própria consciência, e nas palavras que você expressa, considerar a noção de proteção é um ato de Dualidade.
A melhor proteção é a Luz, e esta proteção não é de fato uma proteção, ela é sua Verdade íntima.
A proteção pertence ao linguajar da Dualidade.

***


Pergunta: deveríamos, então, abençoar o sofrimento?

Abençoar é uma palavra muito significativa.
Simplesmente, já, em um primeiro momento, aquiescer para transcendê-lo e superá-lo.
O sofrimento, se vocês ali aplicam um remédio ligado à Dualidade, de ação / reação, naquele momento, vocês se afastam ainda e sempre mais da Unidade.
Obviamente, um médico vai tratar dos males.
Ele vai tentar (através do que ele aprendeu, do que lhe foi ensinado, do que lhe foi revelado, pouco importa) aplicar um bálsamo sobre esses diferentes males, sobre esse mal que existe na cabeça ou no corpo.
Mas essa, que tem sido a conduta normal da humanidade, pelo ‘princípio da Dualidade’, hoje, deve ser superada e transcendida.
Vocês não têm que se opor à Dualidade.
A Luz não é uma oposição.
A Luz é Vibração, e a Vibração da Unidade é algo que lhes dá todas as respostas.
Mas enquanto o mental se apreende para querer agir contra algo, ou mesmo se servir da Luz para compensar uma falta de Luz, isso é apenas o reflexo da Dualidade e de um funcionamento em meio à Dualidade.
A Unidade, é simples, é um ‘estado de Alegria’.
A humildade conduz à Alegria.
A Alegria independe das circunstâncias exteriores e de todo sofrimento Interior.
A Alegria desabrocha quando ela se encontra no Fogo do Coração, quaisquer que sejam os sofrimentos anteriores.
Estes são transcendidos e queimados pelo Fogo do Amor.
Compreendam bem que a Dualidade (sem a intervenção e a manifestação da Luz nesses grandes Ciclos) é interminável, como o ‘princípio de reencarnação’, que é um princípio falsificado, obrigando-os contínua e continuamente a reencarnarem-se.
Somente alguns muito grandes Seres conseguiram, por uma manobra de abandono sem precedentes para a Luz, em épocas de resistências intensas a esta Luz, transcender as condições da humanidade.
Hoje, isto está disponível a todos.
Ir para sua própria Unidade, é superar a Dualidade e não mais se servir da Dualidade.
Como vocês querem superar a Dualidade, se vocês raciocinam em termos de Bem e de Mal?
O Bem, como lhes disseram algumas de minhas Irmãs, mantém tanto a matriz como o Mal.
Desejar fazer o bem é louvável, mas não confere a Unidade.

***


Pergunta: pode-se transmitir a Luz?

Querida Irmã, se você se torna Luz, a Luz se transmite por ela mesma, ela não tem necessidade de você.
Porque se você deseja transmitir a Luz, esse é um ato da personalidade.
Porque você entra no Fazer e você sai do Ser.
Estar no Ser, é estar no Fogo do Amor.
O Fogo do Amor não tem necessidade de expressar, nem de manifestar, nem de querer, porque ele se basta a ele mesmo.
Desta maneira, o Cristo não estava agindo.
Bastava olhá-lo, tocá-lo e abordá-lo para ser ‘transmutado’.
Isso não foi ele que decidiu, mas o Pai, nele.
Portanto, vivendo a Unidade, não há mais que projetar o que quer que seja.
Há apenas que ‘ser’ e quanto mais vocês entram na humildade do ser, mais a Luz irradia e mais ela age.
A Luz será sempre, como lhes disseram todas minhas Irmãs e todos os Anciãos, muito mais inteligente do que o ego e do que a vontade de ‘fazer o bem’.
Ser unitário está além desta ‘vontade de bem’ porque vocês se tornam si mesmos o Bem, além do Bem e do Mal.
Toda veleidade ou toda vontade de ‘projeção’ de Luz é uma Dualidade.
Acreditam vocês que Melquizedeques como o Mestre Philippe de Lyon puderam curar tantos seres por uma vontade de cura?
Não, é porque eles eram, uns e outros, os menores e porque eles não queriam nada, senão o bem da humanidade, ou seja, ir além do Bem e do Mal, reencontrar a Unidade e o Cristo, ou o ‘estado Crístico’, nada mais.
E isso bastou para engendrar os milagres.
Na maioria das vezes, por trás do desejo de ajudar o ser humano, esconde-se, subrrepticiamente, o ego.
Em minha vida, durante minha última vida, eu rezei muitas vezes para a saúde de várias almas, mas eu rezei, eu, querendo agir?
Não.
Eu pedia à Luz e ao Cristo, meu Bem Amado, para agir (que era a Dimensão Ilimitada em mim).
Não era minha pessoa que agia.

***

Nós não temos mais perguntas, nós lhe agradecemos.


Irmãos e Irmãs, eu me regozijo de ter dialogado e me comunicado e comungado com vocês.
Por imitação, eu diria: “eu lhes dou minha Paz” e eu desejo certamente sua Paz.
Até breve.

*Mensagem da Amada SANTA TERESA DE LISIEUX no site francês:
13 de março de 2011
(Publicado em 16 de março de 2011)

Tradução para o português: Zulma Peixinho