Por favor, preencha a atmosfera com a vibração sublime dos Santos Nomes:
Hare Krsna Hare Krsna Krsna Krsna Hare Hare Hare Rama Hare Rama Rama Rama Hare Hare

sexta-feira, 24 de agosto de 2007

As quatro velas

Quatro velas estavam queimando calmamente. O ambiente estava tão silencioso que podia-se ouvir o diálogo entre elas.
A primeira disse:
-Eu me chamo a Paz e apesar da minha luz, as pessoas não conseguem manter-me acesa. Em seguida, a sua chama lentamente se apagou totalmente.
A segunda disse:
-Eu me chamo Fé. Infelizmente, sou supérflua para as pessoas. Elas não querem saber de Deus, por isso não faz sentido continuar queimando. Ao terminar sua fala, um vento levemente bateu sobre ela, e a chama se apagou.
Baixinho e triste, a terceira vela se manifestou:
-Eu sou o Amor! Não tenho mais forças para queimar. As pessoas me deixam de lado, porque só conseguem enxergar elas mesmas; esquecem até daqueles que estão a sua volta. E também se apagou.
De repente chegou uma criança e viu as três velas apagadas.
-Que é isto? Vocês devem ficar acesas e queimar até o fim.
Então a quarta vela falou:
-Não tenhas medo, criança. Enquanto eu estiver acesa, poderemos acender as outras velas.
Quando apagamos as velas da Paz, da Fé e do Amor, ainda nem tudo está perdido... Alguma coisa há de ter restado dentro da gente. E isto tem que ser preservado, acima de tudo...
Então, a criança pegou a vela da Esperança e acendeu novamente as que estavam apagadas.

Que a vela da Esperança nunca se apague dentro de você.
Ela é a nossa luz no fim do túnel.
O caminho da felicidade precisa, antes de tudo ser pavimentado com Esperança.

Autor desconhecido