Por favor, preencha a atmosfera com a vibração sublime dos Santos Nomes:
Hare Krsna Hare Krsna Krsna Krsna Hare Hare Hare Rama Hare Rama Rama Rama Hare Hare

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Saia atrás de soluções

Saia atrás de soluções

Muita gente em situações críticas consegue ter paz no coração e atravessar oceanos de angústia com um sorriso no olhar. Outros indivíduos com todo o tipo de conforto não encontram estímulo para sair da cama.

Por Roberto Shinyashiki

Muita gente em situações críticas consegue ter paz no coração e atravessar oceanos de angústia com um sorriso no olhar. Por outro lado, indivíduos com todo o tipo de conforto não encontram nenhum estímulo para sair da cama.

Uma das maiores batalhas que tenho enfrentado em minha vida tem sido com as pessoas que julgam que é o tamanho dos problemas as impede de ser felizes. Muitos querem me convencer de que problemas grandes são sinônimos de infelicidade. Mentira!

Muita gente em situações críticas consegue ter paz no coração e atravessar oceanos de angústia com um sorriso no olhar, por outro lado, indivíduos com todo o tipo de conforto não encontram nenhum estímulo para sair da cama.

Se fosse assim, os países nórdicos apesar de seu estágio de evolução, não teriam a maior taxa de suicídios do mundo. E os Estados Unidos, com todo o seu desenvolvimento econômico, não seriam a nação com o número mais elevado de depressivos.

Imagine tragédia maior que a sofrida pelo iatista Lars Grael, um atleta no auge da sua forma, que amputou a perna por sido atingido por uma lancha dirigida por sujeito acusado de estar embriagado. E eis que ele ressurge das cinzas como uma Phoenix moderna.

Há o caso daquele menino que ficou cego por causa de uma infecção oftalmológica, que teria sido evitada se o pai tivesse dinheiro para comprar uma injeção de penicilina. Seu nome: Ray Charles. Ou daquele outro menino que estava brincando quando perdeu o pé num atropelamento em sua cidade, Cachoeiro do Itapemirim, e se transformou em nosso Rei Roberto Carlos.

São pessoas que poderiam, com razão, ficar amarguradas e revoltadas com a sorte, mas decidiram tocar a vida o melhor possível e se converteram em exemplos de fé e determinação.

Minha mãe, quando eu era criança e começava a reclamar da vida, costumava contar a seguinte história: Havia um homem que estava muito infeliz com sua cruz. Um dia ele pediu a Deus para trocar de cruz, e o Criador, em sua suprema bondade, o autorizou a procurar uma nova.

O rapaz foi até o depósito das cruzes para ver se encontrava uma de seu agrado, mas ficou angustiado com o tamanho delas. Todas eram imensas e, para piorar, algumas eram de mármore ou de chumbo. Já frustrado, estava se preparando para ir embora, quando olhou num dos cantos e viu uma cruz tão pequena que parecia crucifixo.

Olhou para Deus, é quase envergonhado, pediu a ele se podia levar aquela.

O mestre com um sorriso fez um sinal de positivo. Quando ele examinou atrás da cruz, viu seu nome escrito.

Ao analisar um problema com minúcia, você percebe que ele não é dos mais pesados para carregar. Lógico, nossa tendência é pensar que o nosso problema é o maior do mundo. Certamente, é assim com todas as pessoas. Mas as dificuldades não são baseadas no tamanho dos problemas, e sim nas soluções criadas.

Portanto, logo depois de entrar na dor de uma adversidade, saia atrás de uma solução, porque esse é o caminho para deixar a existência leve. Chorar num momento de infortúnio é normal, mas ficar chorando a vida inteira é masoquismo.

Eu acredito na felicidade e sei que Deus diz sim para aquilo em que acreditamos. Se sua vida não está de modo como gostaria, dê um jeito de transformá-la. É maior presente que pode dar a si mesmo.