Por favor, preencha a atmosfera com a vibração sublime dos Santos Nomes:
Hare Krsna Hare Krsna Krsna Krsna Hare Hare Hare Rama Hare Rama Rama Rama Hare Hare

terça-feira, 24 de julho de 2007

A Glândula Pituitária

A glândula pituitária é muito pequena. A biologia afirma que esta glândula é
do tamanho de uma ervilha e pende da base do cérebro, descansando
harmoniosamente sobre o osso esfenóide. Nesta glândula encontramos uma
trindade maravilhosa. A Lei do Triângulo rege todo o criado.
A glândula pituitária é constituída de três partes: dois lóbulos e uma parte
m édia. Aqui é o triângulo, esta lei maravilhosa de toda criação. Sem o lóbulo
frontal, ou o lóbulo anterior da glândula pituitária, crêem os biólogos que a
vida é absolutamente impossível.
O lóbulo frontal desta glândula está encarregado de fiscalizar o tamanho da
estrutura da comunidade celular. Devemos saber que no ato de fiscalizar
existe também regularização e controle. Assim, podemos explicar que a vida
seria impossível s em o lóbulo anterior da glândula pituitária.
O hiper-funcionamento do lóbulo anterior da pituitária dá origem a seres
humanos gigantes. Quando o funcionamento do lóbulo frontal é insuficiente,
então teremos os anões. Assim, pois, é lógico supor que sem o lóbulo frontal
da glândula pituitária a vida seria impossível, posto que ela regula o tamanho
da estrutura da comunidade celular. Certos tipos de idiotas e cegueira se
devem
também a algumas anormalidades do lóbulo frontal da pituitária.
A função do lóbulo posterior da glândula pituitária é também tonificar
maravilhosamente os músculos involuntários do organismo. A secreção da
pituitária afeta também a excreção de água dos rins.
Os médicos utilizam a pituitrina para ajudar nos partos difíceis.A mestra HPB
disse que a glând ula pituitária é o pajem e porta-luz da glândula pineal. O
doutor Krumm-Heller, professor de Medicina da Universidade de Berlim, dizia
que entre as glândulas pineal e pituitária existe um canal, ou capilar, muito
sutil, já desaparecido nos cadáveres. Assim, pois, essas duas glândulas se
encontram conectadas por esse fino canal. Não existe dúvida alguma sobre a
eletrobiologia e sobre as forças bioeletromagnéticas. Por que não aceitar
então um intercâmbio bioeletromagnético entre as glândulas pituitária e
pineal? É chegada a hora de analisar todas as possibilidades do nústico
sensorial e do psicossomático, sem fanatismos, sem prejuízos e sem
dogmatismos.
Os yogues do Hindustão dizem que da glândula pituitária nasce a flor de lótus
de duas pétalas. Os cientistas ocidentais, em vez de rirem ante estas
afirmações, deveriam estudá-las profundamente. Rir do que ignoramos não é
científico. Essa flor de lótus situa-se no corpo astral exatamente entre as
duas sobrancelhas. Os sábios do Hindustão dão a essas flores de lótus o
nome de chacras. Os yogues asseguram que o chacra pituitário nos faz
clarividentes. Na terra sagrada dos Vedas existem muitas práticas secretas
para se desenvolver a clarividência. Dizem os hindustanes que o chacra
frontal tem 8 poderes maiores e 36 menores.
O clarividente pode perceber o ultra da natureza. O clarividente pode ver o
corpo astral dentro do qual estão todos os princípios anímicos e espirituais do
homem. O clarividente percebe a 4ª dimensão.
A energia glandular não pode ser desprezada pelo biólogo. O intercâmbio
bioeletromagnético das glândulas pituitária e pineal nos faz clarividentes.
Parece existir certa relação entre o átomo do cobre a e glândula pituitária.
Alguns sábios utilizaram o cobre para desenvolver a clarividência.
Nostradamus permanecia horas inteiras olhando fixamente as águas contidas
num recipiente de cobre puro. Este sábio médico fez profecias que se têm
cumprido com toda exatidão através do tempo. Os astrólogos afirmam que a
glândula pituitária está influenciada por Vênus e que o cobre também sofre
influência desse planeta. Agora podemos compreender a íntima relação que
existe entre o cobre e a glândula pituitária.
Durante a colonização espanhola no México, conta-nos a tradição que
sacerdotes católicos efetuaram trabalhos de catequese junto aos astecas,
falando-lhes de Anjos e Arcanjos. Por sua vez, os Sacerdotes astecas
convidaram os sacerdotes católicos para comer. Dizem que os sacerdotes
católicos comeram, entre os alimentos, um cacto muito saboroso. Esse cacto
despertou momentaneamente a clarividência dos sacerdotes espanhóis. Em
seguida, estes viram anjos, arcanjos, etc, etc. O assombro foi terrível e os
sacerdotes católicos não sabiam o que fazer. Entretanto, os índios sorrindo
d iziam: Estes anjos e arcanjos de que nos falais faz muito tempo os
conhecemos!
Conta a tradição que os sacerdotes católicos mataram os sacerdotes astecas
considerando-os bruxos ou feiticeiros. Não há dúvida que esse cacto tem o
poder de despertar instantaneamente a clarividência a quem o come. Esse
cacto é o PEYOTL. No Estado do México, não se consegue esse cacto
utilizado para.a clarividênci a. Quem quiser consegui-lo deve buscá-lo em
Chihuahua ou em San Luiz Potosi. Deve-se mascar só o peyotl maduro.
Quando está seco, não serve.
A Biologia não pode subestimar o Peyotl, nem assegurar em forma dogmática
e intransigente que as percepções sejam alucinações. Assim, os primeiros
sábios que puderam ver os micróbios com o microscópio tinham assegurado
que esses micróbios não existiam e que o que viam a través da lente eram
alucinações. Então, ainda a estas horas da vida ignoraríamos a existência
dos micróbios. Necessitamos ser menos dogmáticos, necessitamos ser mais
estudiosos e ecléticos, mais didáticos. A glândula pituitária segrega sete
classes de hormônios. O valor da glândula pituitária na obstetrícia é também
incalculável.
O insigne escritor dr. Jorge Adoum, respeitável escritor gnóst ico e Grande
Mestre de Mistérios Maiores da Loja Branca, disse que o átomo do Cristo
Cósmico se acha na glândula pituitária, enquanto o átomo do Pai se encontra
no campo magnético da raiz do nariz.
A Biologia analisa e estuda os conceitos científicos de todos os sábios. A
Biologia já saiu do horrível materialismo do século 18 e atualmente começa a
estudar as potencialidades físicas, anímicas e espirituais das glândulas de
secreção interna.