Por favor, preencha a atmosfera com a vibração sublime dos Santos Nomes:
Hare Krsna Hare Krsna Krsna Krsna Hare Hare Hare Rama Hare Rama Rama Rama Hare Hare

segunda-feira, 2 de julho de 2007

A Ciência Jinas

É, pois, o caso que, pasmado minha vida em tantas ocupações, tive, não obstante, que investigar a

fundo os estados jinas.
Olhai, senhores, se havia razão que as razões deste capítulo nos admirassem, quando pudemos
experimentar, de forma direta, a existência real de terras e povos jinas.
"Causará assombro que, no primeiro terço do século XVIII, quando já não reinavam os supersticiosos
Felipes, o mesmíssimo dom Juan de Mur y Aguirre, antes Governador de San Marcos de Arichoa, no
Peru, acreditava cegamente na existência de múltiplas ilhas misteriosas por todos os mares do mundo.
Isso se deveu a que, desde La Gomera e La Palma, enviavam informes mais ou menos fantásticos ao
General e a Real Auditoria sobre as repetidas aparições das sonhadas ilhas, informes que produziram-
diz Vieira – novos acessos de febre do maravilhoso nos ânimos, movendo-os a tentar, pela quarta vez, o
descobrimento da ilha Non- Trabada.
O certo é que a Non-Trabada, ou Encubierta, não tornou a ser vista pelos mortais desde o século XVIII
até a data, porque o ceticismo agressivo que vem reinando no mundo desde a Enciclopédia não merece
outra coisa senão que se faça mais espesso e denso o véu de Maia, que os semelhantes mistérios
etéreos, ou da quarta dimensão, recobre.
A ilha Non-Trabada, ou Encubierta, geralmente mais conhecida por San Borondón – diz Benítez em sua
História das Ilhas Canárias – é um daqueles países encantados que tem preocupado aos modernos, tanto
quanto o Velocino de Ouro aos antigos. E crendo que tinham poderosas razões para isso, porque,
efetivamente, desde as ilhas La Palma, Gomera e Hierro, costumava-se ver, ao O.S.O. da primeira e ao
O.N.O. da última, correndo em direção N. a S., uma como terra montanhosa que, segundo o cômputo
geralmente mais admitido, distaria 40 léguas de La Palma e que poderia ter – não sabemos como se
mediria – umas 87 léguas de comprimento por 28 de largura, e que, pois, as vezes, se via desde o
sudoeste de Tenerife, poderia estar a 28 graus e alguns minutos de latitude norte.
No dia três de Abril de 1570, o doutor Hernán Pérez de Grado, Primeiro Regente da Autoria das Canárias,
liberou uma provisão encomendada `as ilhas La Palma, Gomera e Hierro, a fim de que fizessem uma
averiguação exata com quantas pessoas tivessem observado a aparição de semelhante terra ou que, por
qua lquer outro conduto, tivessem provas de sua existência.
Em virtude de semelhante informação, depôs, em La Palma, o piloto português Pedro Vello, natural de
Setúbal, e disse que, por causa de uma tempestade, desembarcou na ilha Non-Trabada com dois de sua
equipe e ali contemplou tais e quais maravilhas (fenômenos extraordinários, pegadas de gigantes, etc.)
Logo, ao amanhecer, nublou-se o céu, soprou horríssono o furacão e ele, temendo perder seu navio,
voltou a bordo mais que depressa.
No instante de zarpar, perderam de vista a terra e, logo que este cessou, trataram de voltar a ela,
sendo-lhes de todo ponto de vista impossível descobri-la, pelo que ficaram muito contrariados,
especialmente por dois homens da tripulação que haviam ficado abandonados na espessura da selva."
E sta verdadeira história jinas que aqui a vossa mercês se apresenta é tirada, ao pé-da-letra, de velhos
cronicões…
Dizem antigas tradições, por certo muito respeitáveis, que, durante a idade de ouro do Lácio e da
Ligúria, o rei divino Jano, ou Saturno, (I.A.O., Baco, Jeová) imperou sobre aquela santa gente, tribos
árias todas, ainda que de muito diversas épocas e origens. Então, como em igual época do povo hebreu,
podia-se dizer que conviviam felizes jinas e homens.
A Jana, Yana, Gnana, ou Gnosis, não é senão a ciência de Jano, ou seja, a ciência do conhecimento
iniciático, a ciência de Enoichión ou do Vidente, e as variantes de seu nome são tais que há em cada
língua uma, tais como as de Jan, Chan ou Kan, Dan, Dzan, D’Jan, Jain, Jian, Ioan, Kwan-Swan, Thanos,
Thoan, Chohan, todas equivalentes `a mais sublime concepção de um espírito planetário, o Regente de
Saturno, um Nazada, um Kabir, no sentido mais completo da palavra.
Para mim, a ciência jinas não é opinião, senão verdade assentada, e, se quereis que vo-la mostre com a
experiência vivida, escutai com paciência o subseqüente relato:
Trinta vezes havia visto cair as folhas de outono em minha presente reencarnação, quando tive que
trabalhar, consciente e positivamente, com a doutrina dos jinas ou de Jano.
Qualquer noite de maravilhas, Litelantes, minha sacerdotisa-esposa, fez-me sublime convite…
Encontrava-me repousando no tálamo nupcial, com o corpo relaxado, boca pra cima (decúbito dorsal).
Devo asseverar, com certa solenidade e para o bem da Grande Causa, que nesses instantes que achava
em estado de alerta novidade, alerta percepção.
Dormitava atento e vigilante como o vigia em época de guerra. Obviamente anelava, com sede infinita,
algo extraordinário.
Depois das já sabidas invocações de rigor, senti como se outro ser humano pousasse sobre o meu
relaxado corpo, exatamente sobre aquelas mantas, cobertas e cobertores que deliciosamente me
protegiam do frio da noite.
Inquestionavelmente era Litelantes. Reconheci-a pela voz, quando, de forma veemente, me chamara
com meu nome de batismo…
Ostensivelmente, aquela dama-adepto, mediante a ajuda extra de algumas pessoas jinas, havia
conseguido meter seu corpo físico dentro da quarta dimensão.
Vamos! Disse-me. Vamos! Vamos! E eu que com ânsia infinita sempre havia aguardado este instante,
pressuroso me levantei do leito.
Resulta palmário e evidente que, ao me levantar, assim, ajudado, de fato atravessei a barreira da
velocidade da luz, ficando, então, de pé, junto ao leitor de penitente e anacoreta, com o corpo físico bem
submerso dentro da quarta dimensão.
Qualquer gnóstico sincero poderia certamente fazer o mesmo, se, no instante de começar a dormir, se
concentrasse intensivamente com sua Divina Mãe Natura particular, individual…
Uma fórmula mágica muito especial é a seguinte: "Creio em Deus, Creio em minha Mãe Natureza e Creio
na magia branca. Mãe minha, leva-me com meu corpo.
Amém."
Milha res de vezes se reza esta oração, no instante de querer dormitar; entretanto, convém não esquecer
aquele ditado popular que diz: "A Deus rogando e com o malho dando."
Muito ligeiramente adormecidos, levantei-vos do leito, suplicando e, logo, saltai com a intenção de
flutuar no ambiente circundante. Tende fé como um grão de mostarda e movereis montanhas.
Se não lograis flutuar, metei-vos novamente dentro da vossa cama e repeti o experimento.
Muitos triunfam de imediato e outros tardam meses e até anos inteiros para lograr sua entrada nos
paraísos jinas…
Depois dessa pequena, porém importante digressão de tipo indicativo, continuemos com nosso relato.
Saí da minha recâmara com pass o firme e decidido, atravessei um pequeno pátio, dirigi-me à rua.
Cedendo-me passagem com muita reverência, certo grupo de gente jinas; dirigi-me até as montanhas
vizinhas.
Sai da cidade, seguido muito de perto por aquele grupo de gente jinas; dirigi-me até as montanhas
vizinhas.
Senti como se me tivesse afundado num remoto passado sublunar antiqüíssimo; compreendi que havia
penetrado nos cosmos inferior…
Fui submetido a provas de coragem, fazendo-me passar por cima de profundos precipícios…
Flutuando no ambiente circundante da quarta vertical, acompanhado por Litelantes e por toda a comitiva
de gente jinas, atravessei o borrascoso oceano e cheguei a certo lugar secreto da velha Europa…
Penetrei valorosamente em certo castelo, onde tive que contem plar, com assombro, um estranho
símbolo, sob o qual havia um crucifixo…
O regresso `a minha mansão foi relativamente fácil, pois é lei, na quarta dimensão, que tudo regressa
ao seu ponto de partida original.
Litelantes e eu comentamos muito alegremente tudo isto. Obviamente havíamos conseguido um triunfo
maravilhoso.
Dias depois continuamos com estes experimentos; aprendemos a colocar o corpo físico dentro dos
cosmos superior.
Hoje, por experiência direta, sabemos que, com a ajuda da Mãe Divina Kundalini, podemos pôr o corpo
físico em estado de jinas, para viajar por entre o cosmos de cima.
Samael Aun Weor